Roteiro de 8 dias na Chapada dos Veadeiros

A Chapada dos Veadeiros é um dos locais mais procurados do Centro-Oeste. O lugar é certamente um presente aos amantes da natureza e é a oportunidade de imergir no cerrado.

São trilhas que valem a pena mesmo se não tivessem as cachoeiras de recompensa e os mirantes com vistas de paralisar. Vou compartilhar meu roteiro de 8 dias pela Chapada dos Veadeiros e minhas impressões de cada lugar.

Tabela de Preços Chapada dos Veadeiros
Tabela de preços e informações da Chapada dos Veadeiros

Onde ficar na Chapada dos Veadeiros?

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros abrange diferentes localidades e, por isso, há algumas opções de hospedagem. A cidade com mais estrutura, e também mais turística, é Alto Paraíso de Goiás.

Eu fiquei em São Jorge, uma vila da cidade com menos de mil habitantes. Acampei por 12 dias lá e adorei o lugar. Apesar de pequena, a vila tem opções de lazer com diversos restaurantes, casas de cultura e, à noite, pude aproveitar forró e até uma boate.

Como se locomover em um roteiro na Chapada dos Veadeiros?

Percorri a Chapada dos Veadeiros de carro e recomendo a quem for fazer o mesmo, pois as atrações são distantes umas das outras. Eu fui de avião até Brasília e lá aluguei o veículo com tração.

Foram três horas e meia de viagem até São Jorge. Indico a sempre baixar o mapa offline antes de começar os passeios do dia pois o sinal de internet nas estradas da região é fraco e me perdi algumas vezes. Você pode alugar seu carro aqui pesquisando qual locadora oferece o melhor serviço e preço.

Dia 1 – Cachoeiras Almécegas

No primeiro dia, dirigimos até a fazenda São Bento. Lá estão as cachoeiras Almécegas, conhecidas como Almécegas I e II. A entrada foi R$ 40. A primeira cachoeira é a mais imponente. Na trilha, ela pode ser apreciada de cima e sua beleza é incontestável.

Vista de cima da Almécegas I no roteiro Chapada dos Veadeiros
Almécegas I
Cachoeira Almécegas II
Almécegas II

Mergulhar na Almécegas I também é uma delícia. Entretanto, é preciso sempre ter atenção à tromba d’água dependendo do tempo para não ser surpreendido.

Apesar de ter relaxado bastante nas duas cachoeiras da fazenda, não considero o passeio imperdível para quem tem pouco tempo na Chapada porque a região apresenta diversas atrações que, a meu gosto, são mais interessantes.

Dia 2 – Cataratas dos Couros

No dia seguinte fomos até as Cataratas dos Couros. Foi o lugar mais difícil de chegar e um dos mais distantes, mas considero o passeio imperdível.

Além disso, foi meu lugar de cachoeira preferido e com entrada gratuita. Recomendo priorizar essa atração no roteiro pela Chapada dos Veadeiros.

 Logo no início da trilha já surgem as primeiras cataratas. É como um paredão com várias quedas d’águas uma ao lado da outra. O lugar impressiona pela sua majestade.

Queda d'água da Catarata dos Couros no meu roteiro pela Chapada dos Veadeiros
Catarata dos Couros

E, seguindo a trilha, surgem outras cachoeiras também maravilhosas. A caminhada é um pouco cansativa, com subidas e descidas, mas vale cada minuto.

Dia 3 – Trilha dos Saltos

Então chegou o dia de oficialmente visitar o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. O parque possui quatro trilhas oficiais. As outras atrações da Chapada não pertencem à reserva nacional.

Paisagem Saltos, Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros
Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

Eu fiz a trilha dos Saltos, que engloba o Salto de 120 metros, as Corredeiras do Rio Preto e o Salto de 80 metros.

Queda Saltos do Rio Preto
Saltos do Rio Preto, 120 metros

Considero este o melhor passeio da Chapada dos Veadeiros. Ele é completo e te leva ao coração do cerrado.

Além de conter diversas cachoeiras, você caminha em meio a uma imensidão de vegetação e observa as folhas secas e cactos pelo caminho. Ainda há mirantes para que se possa apreciar cada detalhe.

Vegetação do Cerrado no roteiro Chapada dos Veadeiros
Vegetação do cerrado
Vista Trilha Saltos
Vista da Chapada dos Veadeiros, dentro do parque nacional

Foram 11 quilômetros de trilha de dificuldade moderada e sem necessidade de contratação de guia. A entrada para o parque é gratuita.

Trilha no cerrado da Chapada dos Veadeiros
Caminho da trilha dos Saltos do Rio Preto

Dia 4 – Santa Bárbara + Capivara

A cachoeira de Santa Bárbara é uma das mais famosas da Chapada. Isso devido à coloração de suas águas, transparentes e de um azul piscina. O lugar é, então, o paraíso dos fotógrafos. Tive que incluí-lo em meu roteiro pela Chapada dos Veadeiros.

Cachoeira Santa Bárbara
Cachoeira Santa Bárbara

Foi o passeio mais longe de São Jorge, aproximadamente 134 quilômetros. Ao chegar lá, a contratação de guia é obrigatória, geralmente são os kalungas, as pessoas das comunidades quilombolas da região que trabalham na cachoeira.

O preço varia de acordo com o número de cachoeiras a serem visitadas.

Há a Capivara, a Santa Bárbara e a Santa Barbarinha. Eu fiz as três.

Cachoeira Capivara, Chapada dos Veadeiros
Cachoeira Capivara
Cachoeira Santa Barbarinha
Água transparente de Santa Bárbara

É importante ressaltar que, para quem quer visitar todas as cachoeiras, é imprescindível chegar cedo. Isso porque, em dias de maior movimento, há lotação do lugar e o tempo de permanência nas águas de Santa Bárbara é limitado.

Vista Cachoeira Santa Bárbara
Vista da cachoeira Santa Bárbara

Dia 5 – Cachoeiras Loquinhas

As cachoeiras da fazenda Loquinhas são mais um espetáculo da Chapada. São dezoito poços d’água de cor transparente. Assim, é fácil encontrar algum vazio para quem quer aproveitar a paz do lugar e relaxar sem pressa. O preço da entrada é de R$ 30,00.

Poço Loquinhas
Entrada de um poço d’água em Loquinhas

As trilhas da fazenda são bem sinalizadas e demarcadas. Você anda por uma estrutura de madeira para ir de um poço a outro. Pessoas de qualquer idade conseguem caminhar por lá.

Estrutura da Trilha Loquinhas
Trilha de Loquinhas

Além disso, é quase impossível se perder, embora eu tenha conseguido essa proeza. São tantos micos pelas árvores que fiquei os observando e esqueci de qual direção vinha.

Dia 6 – Mirante da Janela e Vale da Lua

Mirante da Janela

Como no quinto dia fomos para Loquinhas, um dos passeios menos cansativos da Chapada, reservamos o dia seguinte para fazer o Mirante da Janela, atração indispensável em meu roteiro pela Chapada dos Veadeiros.

É uma trilha de 8 quilômetros com alguns trechos pesados, mas, em maior parte, achei tranquila de fazer.

Paisagem Mirante da Janela no roteiro Chapada dos Veadeiros
Vista da trilha Mirante da Janela

Também não contratei guia e nem vi necessidade, mas há muitos disponíveis para quem quer ter mais segurança e conhecer melhor a história do local.

Além disso, o ingresso é 10 reais mais caro para quem está sem guia, saindo a R$ 30,00.

O ponto mais alto do mirante fica a mais de 1000 metros de altitude. É possível avistar os Saltos I e II do Rio Preto, aqueles que ficam dentro do parque nacional e fomos conhecer no terceiro dia na Chapada. A vista é incrível. Ela dá a dimensão do quanto somos pequenos frente a esse mundo e o quanto a natureza pode nos oferecer.

Vista Saltos Mirante da Janela
Mirante da Janela, Chapada dos Veadeiros

O Mirante da Janela está no meu top 3 de lugares da Chapada, ao lado das Cataratas dos Couros e da Trilha dos Saltos.

Foto Padrão Mirante da Janela
Pedra do mirante

Vale da Lua

Na volta do mirante, voltamos a São Jorge para almoçar e depois decidimos ir ao Vale da Lua. Esta atração é muito próxima da vila e, como estávamos com tempo, decidimos que valeria a pena.

O Vale da Lua é a atração mais diferente da Chapada. São formações rochosas de milhões de anos com piscinas naturais entre elas, algumas bem rasas e outras maiores em que se pode mergulhar.

Poços Vale da Lua
Crateras do Vale da Lua

O vale tem esse nome devido ao solo exótico das rochas. Andar entre elas é como caminhar na lua – nunca fui à lua, mas tenho imaginação, não é mesmo?

Não é necessário muito tempo para conhecer o vale, nem guia, e a trilha até chegar lá é de 15 minutos caminhando. Além disso, a entrada é R$ 20,00.

Mais um paraíso dos fotógrafos na região. O Vale da Lua é intrigante e considero parada obrigatória na Chapada.

Estrutura Vale da Lua
Água entre as crateras no Vale da Lua

Dia 7 – Macaquinhos

Completando uma semana de Chapada, fomos conhecer Macaquinhos. É um circuito com diferentes cachoeiras incluindo, inclusive, uma de nudismo.

Queda d'água Macaquinhos no roteiro Chapada dos Veadeiros
Cachoeira de Macaquinhos

Diferente da Loquinhas, Macaquinhos tem pouca interferência humana na trilha, apenas a necessária, e me senti bem mais conectada com a natureza do que o passeio do quinto dia.

A taxa de visitação é de R$ 30,00 e a trilha é tranquila, apesar de cansativa, por ter trechos bem íngremes nas descidas para as cachoeiras.

Macaquinhos é um complexo com dez cachoeiras. Por isso, ficamos o dia inteiro por lá. Por ser um passeio menos famoso, é também mais vazio e as cachoeiras estavam praticamente só para meu grupo.

Cachoeira Macaquinhos na Chapada dos Veadeiros
Cachoeira de Macaquinhos

As cascatas são de diferentes alturas, mas, de forma geral, o espaço para nadar nelas é grande. Eu me encantei com o lugar e com a sensação de liberdade que experimentei nele.

Dia 8 – Cachoeira do Segredo

No último dia do meu roteiro pela Chapada dos Veadeiros, estava em dúvida se retornava ao parque nacional para percorrer outra de suas trilhas ou se fazia a Cachoeira do Segredo. Optei pela segunda opção por a trilha do Segredo ter a fama de ser uma das mais belas da Chapada.

E não posso discordar. A caminhada chega a ser mística. Há diversos trechos em que é necessário passar entre rios, andando em decks de madeira e se segurando em cordas. Prepare-se para molhar os sapatos. Não há perigo, mas é necessário ter atenção.

Trilha Cachoeira do Segredo no roteiro Chapada dos Veadeiros
Trilha Cachoeira do Segredo

A contratação de guia não é obrigatória e o valor de entrada varia com a temporada, mas é em torno de R$ 35,00.

A mata é mais fechada do que a de outros passeios, e isso permite que se observe melhor flores, pássaros e a própria vegetação.

Uma curiosidade é que vi a maior teia da minha vida na caminhada do Segredo. As aranhas arrasaram.

Teia de Aranha Cachoeira do Segredo
Teia de aranha na Cachoeira do Segredo

Ao chegar à cachoeira principal, a magia da trilha se soma à riqueza da queda d’água e tive a certeza de que o lugar valeu a pena.

Porém, é preciso ter cuidado já que a profundidade da água é bem expressiva e não recomendada para quem não tem experiência em nadar.

Outra característica da Cachoeira do Segredo é a temperatura da água, a mais gelada que conheci na Chapada, daquelas que você não se acostuma com o tempo.

Queda d'água Cachoeira do Segredo na Chapada dos Veadeiros
Cachoeira do Segredo

Conhecer a Chapada dos Veadeiros multiplicou meu desejo de explorar a região central do Brasil e todas as nossas cachoeiras e paisagens.

Se quer continuar explorando o Brasil, então leia sobre os Lençóis Maranhenses.

Também não deixe de conhecer o Norte do país! Você pode conferir aqui o roteiro da Alexandra do Turismo de Primeira pelo Jalapão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *