O que fazer em Santiago no verão, inverno e chuva

Elbalse El Yeso, o que fazer no Atacama

Santiago é uma das capitais mais visitadas da América Latina. E é fácil saber o porquê. A cidade é bem arborizada, limpa e oferece uma ampla diversidade de atrativos.

Além do centro histórico que contém praças, igrejas e museus, como a maioria das grandes cidades, Santiago também oferece parques, vinícolas, mirantes.

Tudo isso se soma à proximidade de cidades litorâneas e montanhosas que possibilitam ver mar, neve, cachoeira e diversos cenários impressionantes.

Quantos dias ficar em Santiago?

Isso vai depender dos seus planos pelo Chile. Porém, para visitar ao menos os principais pontos da cidade, você vai precisar de três dias.

  • Tempo mínimo – 3 dias
  • Tempo ideal – 6 dias

Como é o transporte na capital chilena?

Eu andava de metrô o tempo todo. A malha é bem completa e tem acesso a quase todos os pontos turísticos. Porém, você também pode usar ônibus ou táxi, se preferir.

Para visitar vinícolas ou cidades turísticas próximas, você também pode alugar um carro ou fechar passeios com agências de viagem.

O que fazer em Santiago?

O centro histórico e os mirantes podem ser visitados em qualquer época. Já as atividades de esqui têm temporada bem definida.

Mas não se preocupe. Vou te ajudar com as informações mais importantes do turismo em Santiago para que o planejamento da sua viagem fique perfeito!

1. Palácio de La Moneda

Bem no centro de Santiago fica o Palácio de La Moneda, sede da Presidência do Chile. A maioria dos turistas vai até lá para ver a troca de guarda, que acontece pela manhã.

Pessoalmente, não me impressionei muito com o lugar. Mas vale a pena passar por lá já que ele fica bem próximo de outros pontos turísticos.

2. Museo Chileno de Arte Precolombino

Do Palácio, você segue mais 600 metros até chegar ao Museo Chileno de Arte Precolombino. O espaço de três andares conta a história do Chile e de toda a América Latina antes da colonização espanhola.

Ele apresenta artefatos indígenas e tem uma ampla coleção de objetos. A entrada do museu custa, em 2020, 8.000 pesos chilenos para estrangeiros e ele funciona de terça a domingo.

3. Plaza de Armas

Ao lado do Museu Precolombino fica a Plaza de Armas, provavelmente a praça mais famosa do Chile. Ela é bem arborizada, conta com artistas de rua que animam o lugar e, ainda, se tornou um polo gastronômico, com diversos restaurantes ao redor.

Além disso, a Plaza de Armas abriga a Catedral Metropolitana e edifícios antigos como o Museo Histórico Nacional.

Se você gosta de museus, vale a pena percorrer a região com mais calma para explorar toda a história e arte chilena.

4. Mercado Central

Da Plaza de Armas, você caminha mais 400 metros e chega ao Mercado Central. Ele tem muitos restaurantes com cardápios variados, principalmente de frutos do mar. Eu achei o lugar excessivamente turístico, mas o prédio é bem antigo, do século XIX, e vale a pena passar rapidamente por lá.

Além disso, algumas agências turísticas trabalham no Mercado Central. Então, se você deseja fazer algum passeio, pode pesquisar preços por lá.

5. Museo Nacional de Bellas Artes

Ao lado do Mercado Central se inicia o Parque Florestal. Caminhando por ele por uns dez minutos, você chega até o Museo Nacional de Bellas Artes.

Eu amei essa região. Quando fui, estava ocorrendo uma competição artística na porta do museu, com malabares, bambolê e outros objetos. Os chilenos me disseram que aquilo era comum, e realmente tive a impressão de Santiago ser uma cidade rica em arte.

Além da bela área externa, o Museo Nacional de Bellas Artes conta com pinturas e esculturas nacionais e internacionais, somando mais de 5 mil obras. Ele funciona de terça a domingo, das 10:00 às 17:30, e tem acesso gratuito.

6. Cerro Santa Lucía

Para esclarecer, o termo “cerro” se refere a um monte não tão alto, menor que uma montanha. Na prática, são mirantes, que proporcionam uma boa vista da cidade.

O Cerro Santa Lucía fica a 650 metros do Museu Nacional de Belas Artes. Se você ainda tiver com tempo, pode passar lá. Do contrário, deixe para visitá-lo no dia seguinte.

Mas a beleza do lugar vai além da vista de Santiago que ele proporciona. O Cerro Santa Lucía também fica em um parque bem cuidado e mantém construções antigas que fizeram do lugar um forte em séculos passados.

Cerro Santa Lucía, Santiago
Cerro Santa Lucía, Santiago

A entrada para o Cerro Santa Lucía é gratuita e ele fica aberto diariamente. Você pode chegar até ele a pé ou de metrô, sendo próximo das estações Universidad Católica e Santa Lucía. E para chegar ao topo, basta subir as escadas do parque.

7. Cerro San Cristóbal

Já o Cerro San Cristóbal é um pouco mais distante do centro de Santiago. Porém, também é fácil chegar lá de metrô. Ele é bem mais alto do que o Cerro Santa Lucía, tendo 300 metros de altitude.

Você também pode subir lá a pé. Porém, a forma mais comum de chegar ao cerro é por teleférico ou funicular (tipo um trenzinho).

Para ajudar na sua decisão, saiba que o teleférico e o funicular são distantes um do outro, porque o parque do cerro é bem grande. Porém, o funicular é mais perto do metrô, saltando na estação Baquedano.

Eu subi de funicular e desci de teleférico, para ter uma experiência mais completa do passeio. Você consegue comprar essa opção mista no próprio site do Funicular de Santiago. Os preços variam com o dia da semana e o tipo de ingresso comprado.

Cerro San Cristóbal, o que fazer em Santiago
Cerro San Cristóbal, Santiago

O Cerro San Cristóbal é um lugar bem completo em que você facilmente fica horas apenas aproveitando cada atrativo. Além da vista da cidade, há um santuário no lugar e, ainda, um zoológico. Eu não gosto de zoológicos, mas quem está com criança pode querer passar por lá.

Informações mais detalhadas de como chegar ao Cerro San Cristóbal você encontra no Novo Cálculo da Rota, em um post completo sobre o lugar.

8. Sky Costanera – Costanera Center

Seguindo a lista de mirantes de Santiago, há o famoso Sky Costanera. Ele fica no topo do Costanera Center e se intitula o mirante mais alto da América Latina.

Eu não subi porque achei caro, são 15.000 pesos chilenos. Se você conta cada dinheirinho como eu, uma opção é subir até a praça de alimentação do Costanera Center, que já tem uma vista interessante de Santiago. Além disso, nos cerros anteriores você já consegue aproveitar bem a vista da cidade.

9. Patio Bellavista

O Patio Bellavista é o lugar perfeito para você passear à noite. Eu adorei a atmosfera do lugar. A decoração dos restaurantes, a simpatia das pessoas, a diversidade de opções. Tudo me conquistou.

Na prática, o Patio Bellavista é um complexo com restaurantes e lojas. Você pode ir lá tanto para comer de fato quanto para beber vinho, sangria e outros drinks.

10. Valparaíso e Viña del Mar

Nas proximidades de Santiago ficam as cidades litorâneas Valparaíso e Viña del Mar. Elas têm mar, arte e até castelo.

Valparaíso
Valparaíso, Chile

Como são cidades pequenas, você consegue fazer um bate e volta de Santiago tranquilamente. Porém, também pode se hospedar lá se quiser aproveitar com mais calma.

11. Cajón del Maipo e Embalse del Yeso

Mais um passeio bate e volta de Santiago. Você até pode alugar um carro para percorrer esta região, mas a estrada não é muito simples, principalmente em época de neve. Por isso, achei mais fácil fechar o passeio.

O Cajón del Maipo é toda a região, com montanhas e lagos, perfeito, então, para fazer trekking, tirolesa, rafting.

Elbalse El Yeso, o que fazer no Atacama
Elbase el Yeso, Cajón del Maipo

O Embalse el Yeso é o principl atrativo do Cajón del Maipo. Ele é um gigante reservatório de água rodeado de montanhas, o que me deixou de boca aberta!

O passeio tem algumas outras paradas no caminho, mas a principal é o Embalse el Yeso. Eu recomendo demais a visita porque foi uma das paisagens mais bonitas que vi perto de Santiago.

12. Vinícolas – Concha y Toro

O vinho chileno é muito famoso e apreciado no Brasil. Por isso, visitar as vinícolas de lá é sempre um desejo dos amantes dessa bebida (não é o meu caso).

A vinícola mais visitada do Chile fica a apenas uma hora de Santiago. É a Concha y Toro, também a maior produtora de vinho da América Latina.

Você pode ir pra lá através de um passeio com agência de bate e volta desde Santiago. Outra opção é ir por conta própria, ou alugando um carro ou através de metrô (estação La Mercedes) + táxi ou Uber (10 minutos do metrô até a vinícola).

Também há a opção de optar por outras vinícolas menos turísticas. Algumas opções são a Undurraga e a Cousiño Macul.

13. Valle Nevado

O Valle Nevado é um dos lugares mais famosos do Chile. Como brasileiros, se você não morar no Sul, ver neve é praticamente impossível. Por isso, o Valle Nevado é o destino queridinho dos brasileiros que sonham em encontrar neve pela primeira vez.

Além de ser pertinho do nosso país, o Valle Nevado tem neve de verdade. Por isso, ele é o lugar perfeito para praticar esportes de inverno, como o esqui.

Você tem a opção de se hospedar lá e aproveitar o Valle Nevado em vários dias ou fazer um bate e volta de Santiago. O ideal é você fechar o tour ou transfer com uma agência pois, como já falamos aqui, as estradas no Chile podem ser perigosas.

Apesar de ter passeio para lá o ano todo, e do lugar ser lindo de qualquer forma, a temporada de neve do Valle Nevado é de junho a setembro. Nos demais meses, a chance maior é de ter neve apenas no pico das montanhas.

14. Farellones

Farellones é outra opção de neve. Porém, diferentemente do Valle Nevado, o lugar só fica aberto na temporada de inverno.

Se você tem pouco tempo em Santiago, sugiro escolher entre um passeio ou outro, pois eles podem ser um pouco parecidos. Porém, Farellones tem mais opções de brincadeiras na neve além de esqui, como tirolesa e esquibunda.

Já o Valle Nevado é mais alto e tem uma infraestrutura mais completa.

O que fazer em Santiago no verão?

As atividades dentro da cidade de Santiago podem ser feitas em qualquer época. Ou seja, visitar os museus, mirantes, parques, praças. Porém, em relação aos lugares próximos da capital, há opções melhores para o verão ou inverno.

O bate e volta a Valparaíso e Viña del Mar é com certeza uma boa opção para o verão. Essas cidades são litorâneas e você poderá aproveitar um gostoso mergulho de mar.

Além disso, a visita ao Cajón del Maipo é perfeita para o verão, pois não há tanta neve e as estradas ficam mais seguras.

As vinícolas também podem ser visitadas em qualquer época. Já as estações de esqui, como o Valle Nevado e Farellones, é melhor você deixar para conhecer em outra temporada. Farellones fica até fechado e o Valle Nevado, apesar de aberto, oferece neve apenas nos picos das montanhas.

Outra opção é descer para a Patagônia e fazer a travessia até a Argentina. A Elizabeth Werneck conta mais sobre o Cruce Andino!

Turismo em Santiago no inverno

Já no inverno, explorar as estações de esqui e outros esportes na neve é com certeza uma boa pedida! Se você tiver pouco tempo na cidade, pode escolher entre o Valle Nevado e Farellones e usar os outros dias para conhecer os pontos turísticos de dentro da cidade.

Você também pode visitar Valparaíso e Viña del Mar, os lugares continuam bonitos. Porém, a água estará mais gelada e você provavelmente deixará o mergulho de fora.

Da mesma forma, também é possível visitar o Cajón del Maipo, que oferece uma linda paisagem. Porém, é preciso ter muita atenção com as estradas porque dependendo do dia, o passeio pode até ser cancelado.

Passeios em Santiago com chuva

Em um dia de chuva, você pode dispensar os cerros, mas ainda pode visitar o Sky Costanera como mirante, já que ele fica dentro de um shopping center.

Além disso, Santiago é uma cidade rica em arte e cultura, com muitos museus pela cidade. Assim, aproveite a chuva para explorar esses lugares, como o Museo Chileno de Arte Precolombino, o Museo Histórico Nacional, o Museo Nacional de Bellas Artes e o Museo de la Memoria y los Derechos Humanos.

Você ainda pode passear pelo Mercado Central, porque é fechado, e jantar em algum dos maravilhosos restaurantes do Patio Bellavista.

O que fazer em Santiago em 3 dias?

  • Dia 1 – Centro Histórico (Plaza de Armas, museus, Palacio de la Moneda, Mercado Central)
  • Dia 2 – Mirantes (Cerro Santa Lucía, Cerro San Cristóbal, Sky Costanera)
  • Dia 3 – Cajón del Maipo e Embalse del Yeso

Roteiro em Santiago em 4 dias

  • Dia 1 – Centro Histórico (Plaza de Armas, museus, Palacio de la Moneda, Mercado Central)
  • Dia 2 – Mirantes (Cerro Santa Lucía, Cerro San Cristóbal, Sky Costanera)
  • Dia 3 – Cajón del Maipo e Embalse del Yeso
  • Dia 4 – Valparaíso + Viña Del Mar (verão) ou Valle Nevado ou Farellones (inverno)

O que fazer em Santiago em 5 dias?

  • Dia 1 – Centro Histórico (Plaza de Armas, museus, Palacio de la Moneda, Mercado Central)
  • Dia 2 – Mirantes (Cerro Santa Lucía, Cerro San Cristóbal, Sky Costanera)
  • Dia 3 – Cajón del Maipo e Embalse del Yeso
  • Dia 4 – Valparaíso + Viña Del Mar (verão) ou Valle Nevado ou Farellones (inverno)
  • Dia 5 – Vinícolas

Visitando Santiago em 6 dias

  • Dia 1 – Centro Histórico (Plaza de Armas, museus, Palacio de la Moneda, Mercado Central)
  • Dia 2 – Mirantes (Cerro Santa Lucía, Cerro San Cristóbal, Sky Costanera)
  • Dia 3 – Cajón del Maipo e Embalse del Yeso
  • Dia 4 – Valparaíso + Viña del Mar
  • Dia 5 – Valle Nevado (aberto mesmo sem neve)
  • Dia 6 – Vinícolas

Onde ficar em Santiago?

Como a cidade é bem conectada pelo metrô, eu recomendo priorizar uma hospedagem perto de uma estação, e considero isso mais importante do que o bairro em si em que você vai se hospedar.

Eu fiquei no Hostal Che Lagarto. Ele é bem localizado e oferece uma boa estrutura.

Outra opção bem movimentada é o bairro Lastarria, com muitos hotéis e hostels pela área.

Quando ir a Santiago, no Chile?

Isso depende do seu objetivo. Se o seu sonho é ver neve e aproveitar as estações de esqui, então os meses de inverno são perfeitos para você, entre junho e setembro.

Porém, as temperaturas nessa época também são bem mais baixas e a cidade fica cheia. Eu viajei em outubro e considerei o mês perfeito, porém, sem neve.

É seguro mulher viajar sozinha para Santiago?

Santiago é uma capital da América do Sul. Então, como toda grande cidade, é preciso ter cuidados óbvios, como estar atento ao taxímetro, ter cuidado com batedores de carteira e procurar andar por lugares movimentados.

Apesar disso, me senti bastante segura em Santiago. A cidade é pouco violenta e a maior parte dos casos de roubo são furtos. Também não me senti insegura em relação aos olhares de homens, achei o lugar bastante respeitoso.

Assim, recomendo Santiago a mulheres que viajam sozinhas. Mas sempre tendo atenção e cuidados!

Outra recomendação que faço é contratar seguro viagem para o Chile. Isso garante que você não terá contratempos na viagem. Mesmo que o lugar seja seguro, você pode ter outros problemas e precisar de cuidados médicos. Então não descuide de sua saúde!

2 comentários em “O que fazer em Santiago no verão, inverno e chuva”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *