O que fazer em Belém: roteiro de 4 dias

A capital do Pará tem diversos atrativos e um turismo subestimado. Se você quer saber o que fazer em Belém, vou ajudar você com um roteiro de 4 dias pela cidade!

Onde ficar em Belém

Belém tem uma ampla variedade de hospedagens. Os melhores hotéis a nível três estrelas, considerando localização, preço e estrutura, são o Hotel Grão Pará, que fica bem próximo ao Theatro da Paz e à Estação das Docas e o Hotel Marajoara.

Além disso, entre as melhores opções mais baratas, há a Ecopousada Miriti e a Casa para Temporada.

O que fazer em Belém em 4 dias

Dia 1 – Cidade Velha, Praça da República e Estação das Docas

Cidade Velha

A capital do Pará tem muito a oferecer. O centro histórico dela é conhecido como Cidade Velha. Eu comecei meu roteiro de 4 dias em Belém por lá, conhecendo o Forte do Presépio. A construção é do século XVII e considerada uma das mais antigas da cidade. O espaço possui muitos canhões e a vista para a cidade.

Forte do Presépio em Belém
Forte do Presépio

Em frente ao forte há a Casa das Onze Janelas, um edifício histórico com um belo jardim ao redor. Próximo dali fica a Catedral Metropolitana de Belém, ou Catedral da Sé, uma igreja católica de estilo barroco. Caminhei pela área observando as antigas casas e construções.

Praça Cidade Velha Belém
Cidade Velha, Belém

Então chegou o momento de conhecer o famoso Mercado Ver-o-Peso. Ele é um dos maiores mercados locais que já visitei. O lugar tem de tudo e impressiona pelo tamanho e bastante variedade de opções que oferece.  O almoço por lá é popular mas muitos moradores me advertiram sobre a higiene precária do mercado e decidi aproveitar o espaço apenas para compras.

Restaurante e Praça da República

Assim, fui até o Point do Açaí em busca de um saboroso almoço acompanhado de açaí. A fruta no Pará é pura, sem o aditivo de xarope de guaraná que a torna doce.  Apesar de estranhar a princípio o gosto, achei interessante a mistura de sabores ao experimentar o açaí com carne e queijo.

Além disso, foi nesse restaurante que provei o melhor suco da minha vida, o limão mexerica. O dono me explicou que é uma fruta da Itália que trouxeram para plantar por aqui e vender no local. Isso deu certo. Só por aquele suco eu já voltaria à Belém.

De lá, fui conhecer o Theatro da Paz. Fundado em 1878, o teatro foi construído devido ao crescimento econômico da época de ouro da borracha. Infelizmente estava fechado, mas aproveitei para conhecer a Praça da República, localizada em frente a ele.

A praça é ampla, bem cuidada e abriga um campus de universidade. Presenciei diversas expressões artísticas por lá. E, aos domingos, acontece uma tradicional feira de artesanato, alimentos e até doação de animais.

Estação das Docas

À noite, fui à Estação das Docas. O local reúne diversos restaurantes, sorveterias e bares. Tudo isso acompanhado de bastante música boa. Por lá, é tradicional beber a cachaça de jambu, famosa por deixar a boca dormente. Eu parei de contar na terceira caipirinha.

Dia 2 – Ilha do Combú

Devido à proximidade da capital, visitar a Ilha de Combú é um passeio comum tanto entre turistas quanto entre moradores de Belém, principalmente aos domingos. Por isso, incluí essa atração em meu roteiro de 4 dias em Belém.

Restaurantes da Ilha do Combú no roteiro de 4 dias em Belém
Ilha do Combú

O principal atrativo da ilha são os restaurantes do local. Eles são abertos e é uma delícia comer à beira da água, principalmente com o acompanhamento de boa música. Há opções de estabelecimentos mais animados ou calmos e os barqueiros sabem as características de cada um deles para orientar sobre a melhor escolha.

Vista da Ilha do Combú
Vista do restaurante na Ilha de Combú

O passeio que fiz incluiu uma volta pela ilha, uma parada para explicação sobre a fabricação do açaí e a forma de se colher a fruta, a ida ao restaurante para almoçar e a visita à Filha de Combú, uma casa de chocolate criada pela dona Nena, muito famosa na ilha por fabricar um chocolate puro e mostrar todas as etapas da produção dele a partir do cacau.

Considerando toda a experiência da ilha, o mais interessante e relaxante, para mim, foi aproveitar o restaurante e a calmaria do lugar.

De volta à Belém, novamente fui à Estação das Docas pela noite. Desta vez, fui à Amazon Beer, a cervejaria artesanal do lugar. Experimentei um shot de todas as opções de cerveja e um copo das que mais gostei. Claramente retornei ao hotel sóbria.

Amazon Beer na Estação das Docas
Amazon Beer

Dia 3 – Parque Utinga, Mangal das Garças

Meu terceiro (e preferido) dia foi de muita natureza e caminhada. Acordei cedo para conhecer o Parque Estadual do Utinga. Não havia lido sobre ele em minhas pesquisas sobre Belém, mas o vi no mapa da cidade e me instigou o tamanho do parque. Decidi passar lá para conhecer.

Fui surpreendida ao encontrar um lugar de ecoturismo com trilhas, rapel, bicicletas. O local é bastante frequentado pelos moradores aos finais de semana. Além disso, é bem tratado e policiado.

Alameda dos Açaís no Parque Utinga em Belém
Alameda dos Açaís, Utinga

O parque é uma Unidade de Conservação Estadual e é considerado uma das únicas áreas da região metropolitana de Belém com preservação da biodiversidade amazônica. Além das mais de 400 espécies de animais e 150 de plantas, o parque tem dois grandes lagos que também são alvo da contemplação das pessoas que passam por ali.

Como amante da natureza que sou, o parque se tornou meu lugar preferido de Belém. Isso porque eu ainda não tinha ido ao Mangal das Garças.

Diferente do Utinga, o Parque Zoobotânico Mangal das Garças é turístico e está sempre presente nas dicas sobre Belém. A entrada é gratuita, mas há quatro atrações pagas, o Borboletário José Márcio Ayres, o Farol de Belém, o Viveiro das Aningas e o Memorial da Navegação da Amazônia.

O passaporte de acesso a todos os espaços é R$ 15,00 mas também é possível comprar a entrada de cada um separadamente.

Mangal das Garças Belém
Animais livres no Mangal das Garças

O parque impressiona pela diversidade de animais e plantas presentes. São flamingos, garças, patos, borboletas, araras, iguanas, tartarugas. Eles ficam soltos na natureza, o que torna o parque muito mais interessante.

Iguanas Soltas no Mangal das Garças
Iguanas, Mangal das Garças, Belém

Dia 4 – Mosqueiro

Decidi aproveitar meu último dia na cidade para conhecer as praias da região, completando meus 4 dias em Belém. Então fui até a Ilha de Mosqueiro, que fica a 70 quilômetros de Belém. É possível ir de ônibus ou carro. A ilha abriga diversas praias e, o mais interessante delas, é que são fluviais. As ondas e força das águas faz você duvidar de que ali está um rio e não o mar.

Apesar de estar um dia bastante nublado, não perdi a oportunidade de mergulhar em água doce e caminhei bastante por ali para explorar a região. Então chegou o momento de retornar à Belém e me despedir da cidade. Com bastante saudade.


Gostou deste post? Então aproveite, também, as dicas sobre o que fazer em Alter do Chão e o guia completo do Pará!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *